terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Expondo opiniões: diálogo, "posso, quero, devo" e impostos. O que a Bíblia fala a respeito disso?

    Olá, leitores!


    Não imaginei que iria abordar um tema como esse aqui no blog logo no início, porém, creio que seja necessário estarmos atentos aos últimos acontecimentos sociais, morais e políticos. Devo admitir que não centralizo o Brasil em momentos que falo sobre o assunto pois podemos, claramente, observar problemas urgentes, e parecidos com os nossos, sendo vivenciados em outros locais. Todavia, vivemos uma crise de identidade e ética. Quero compartilhar, não só meus pensamentos, mas sim pontos importantíssimos que a Bíblia mostra-nos as maneiras certas de agir.


    Diálogo


    Desde a infância recebemos instruções cabíveis e obrigatórias da parte de pais e professores e, dentre elas, está a formação de diálogos entre nós e os colegas de classe. Quando subimos no nível acadêmico percebemos que aquilo torna-se sério, específico e comprometedor. Atualmente, enxergamos fatos clássicos no Brasil que mostram o agir contrário da instrução recebida por muitos e eis que surge uma afirmação: “a culpa é do político que fica com o dinheiro do povo e não faz nada pelo bem daqueles que o elegeram”. Será que esse caminho é o certo?


    Durante a história percebemos o quanto o povo é importante para se realizar a mudança necessária, então, diante disso, posso afirmar e crer que precisamos fazer algo para melhorar a situação vivida pelos brasileiros. Como posso querer aperfeiçoamento se não me manifesto quanto a isso? Os brasileiros devem sair às ruas sim, porém, enquanto estava a expor meus pensamentos, lembrei-me de quando Paulo escreve sua primeira carta a Igreja de Corinto e ensinava-os como manter a ordem no Culto e, ao final, ele diz: “Mas tudo seja feito com decência e ordem” (1 Coríntios 14:40). Um cristão deve se manter fiel, digno e ético não só nos cultos realizados em templos mas em todos os âmbitos sociais. Se afirmo ter o caráter de Cristo devo-o manter em todas as circunstâncias. - Não encaro manifestações, abaixo assinados, projetos de leis e coisas como estas como problemas e incompreensão popular, jamais, no entanto, só apoio se for feito com ordem e decência como relatou o apóstolo Paulo com relação aos cultos.


    “Posso, quero, devo.”


    Reclamamos do que os políticos deixam de fazer por nós, porém, esquecemos o que deixamos de realizar pelo bem de um todo. - Falsificar carteira de estudante, roubar TV a cabo, furar fila, suborno, colar na prova, bater o ponto pelo colega de trabalho, apresentar atestado médico falso, vender voto, e etc, são pequenas corrupções praticadas diariamente entre o povo brasileiro. Quando se é encontrado um pacote com muito dinheiro, e logo é devolvido ou entregue à polícia, todos olham para a pessoa que realizou tal boa ação com surpresa e abismo. Por quê? Simplesmente porque isso é o reflexo da sociedade no Planalto, na Câmara dos Deputado, na Presidência. Como posso esperar o bem de outros se não o pratico?


    Em Filipenses 1:27 está escrito: “Não importa o que aconteça, exerçam a sua cidadania de modo digno do evangelho de Cristo [...]”. Jesus ensinou-nos que o primeiro e maior mandamento é amar a Deus de todo o coração, de toda alma e de todo entendimento (Mateus 22:37) e deixou claro que o segundo seria amar ao nosso próximo como a nós mesmos (Mateus 22:39), ou seja, devemos pensar duas vezes antes de tomarmos atitudes que possam prejudicar outras pessoas ou se mancharemos o nosso testemunho fazendo com que o Evangelho seja ferido e desacreditado por muitos que virão tal ato.
   
    Muitas pessoas desejam se favorecer através de cargos que exercem enquanto outros desejam receber mais às custas de trabalhos indevidos e prejudiciais. A Palavra de Deus é clara quando nos diz: “‘Tudo me é permitido’, mas nem tudo me convém. ‘Tudo me é permitido’, mas não deixarei que nada me domine”. Paulo foi enfático ao dizer-nos isso através de sua carta a Igreja de Corinto. A partir do momento que reconhecemos que Jesus Cristo é o Senhor, o Filho de Deus, devemos abandonar as corrupções, as práticas mundanas e passarmos a ser guiados pelo Espírito. “Alegre-se jovem na sua mocidade! Seja feliz o seu coração nos dias da sua juventude! Siga por onde o seu coração mandar, até onde a sua vista alcançar; mas saiba que por todas essas coisas Deus o trará a julgamento.” - Eclesiastes 11:9


    Impostos


    Não sei quantos conhecem Mário Sérgio Cortella, filósofo, escritor, educador, palestrante e professor brasileiro, porém, acompanhei o “Encontro com Fátima Bernardes” na manhã de Terça-feira (14) e pude vê-lo conversando com a apresentadora e com outras pessoas que estavam presentes no estúdio enquanto tratavam de ética e, então, a questão “imposto” foi levantada pelo ator João Vicente de Castro. “Não é possível que eu tenha que pagar esse tanto de imposto e não ter saúde, educação pública, enfim, segurança. Mas, eu não devo. Eu devo cumprir com o que a gente combinou. No Brasil tá combinado que a gente paga tantos por cento então é isso que a gente tem que fazer. É isso. Mas que seduz, seduz”. - disse ele.
   
    Indo mais uma vez à Bíblia, em Mateus 22:1-15, vemos fariseus tentando encontrar uma maneira de embaralhar/emaranhar Jesus em suas próprias palavras, logo, O perguntaram sobre os impostos, se deveriam, ou não, pagá-los a César. Jesus, conhecendo o pensamento daquele povo, chamou-os de hipócritas e perguntou porque estavam pondo-o à prova. Posteriormente, pediu que mostrassem-lhe uma moeda usada para pagar o imposto. O Mestre, em sua sabedoria, perguntou aos fariseus de quem era o rosto que estava em tal moeda e foi respondido que era de César. Por fim, Jesus disse: “Então, deem a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”. Os fariseus saíram de lá admirados.


    Posso concluir, à luz da Palavra de Deus, que devo cumprir as leis de onde vivo por mais que não as ache justas o suficiente, desde que as mesmas não firam os ensinamentos de Deus. Lemos anteriormente em Filipenses 1:27 que devemos viver de maneira digna do Evangelho e aqui Jesus ensina-nos claramente a importância de cumprimos as leis impostas pelas autoridades. E, bom, falando nelas, em Romanos 13:1-3, Paulo escreve: “Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos. Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá”. - Bom, o que dizer diante disso? Não podemos esperar apenas por atitudes de políticos, a população deve fazer sua parte, revelar um bom caráter, agir conforme as Santas e Sagradas Escrituras. Precisamos melhorar com urgência.


    Finalizando


    Sei que somos humanos e passíveis ao erro, contudo, devemos perseverar, dar continuidade ao processo de santificação e aperfeiçoamento. - Antes de sentar-me e escrever sobre esse tema desejei abordar com um pouco mais de intensidade sobre a impunidade, porém, não foi possível. Gostaria apenas de deixar claro que concordo com o pensamento daqueles que dizem que o Brasil não está carente de leis mas de punições para aqueles que não as praticam.
   
    Enquanto acompanhava o debate no “Encontro com Fátima Bernardes” observei duas frases do Mário Sérgio Cortella e desejo compartilhar com vocês:


    “A corrupção é uma oportunidade e não uma obrigatoriedade.”
    “A ética é mais sólida quando não tem ninguém olhando.”


    Agradeço sua visita e leitura. - Sentiu vontade de comentar sobre o assunto? Discordou de algo? Fique à vontade para comentar.


    Graça e paz.
    Jesus te ama!