sábado, 18 de março de 2017

Igreja, anuncie Jesus! Voltemos ao Evangelho.

“¹³ Estando próxima a Páscoa dos judeus, subiu Jesus para Jerusalém. ¹⁴ E encontrou no templo os que vendiam bois, ovelhas e pombas e também os cambistas assentados; ¹⁵ tendo feito um azorrague de cordas, expulsou todos do templo, bem como as ovelhas e os bois, derramou pelo chão o dinheiro dos cambistas, virou as mesas ¹⁶e disse aos que vendiam as pombas: Tirai daqui estas coisas; não façais da casa de meu Pai casa de negócio. ¹⁷ Lembraram-se os seus discípulos de que está escrito: O zelo da tua casa me consumirá. ¹⁸ Perguntaram-lhe, pois, os judeus: Que sinal nos mostras, para fazeres estas coisas? ¹⁹ Jesus lhes respondeu: Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei. ²⁰ Replicaram os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este santuário, e tu, em três dias o levantarás? ²¹ Ele, porém, se referia ao santuário do seu corpo. ²² Quando, pois, Jesus ressuscitou dentre os mortos, lembraram-se os discípulos de que ele dissera isto; e creram na Escritura e na palavra de Jesus.”

                                João 2:13:22

    Confesso que não havia pensado em nenhum artigo desse tipo para o blog, pelo menos, não com esse assunto. Ontem, enquanto lia a Palavra do Senhor, deparei-me com o texto bíblico exposto anteriormente e, de fato, penetrou em meu coração. Sou o tipo de pessoa que evito discussões com relação a estilos musicais, placas de templos, predestinação ou livre arbítrio, porém, senti uma grande necessidade de compartilhar esses pensamentos.

    Vemos que Jesus vai à Jerusalém e que se aproximava a Páscoa dos judeus, no entanto, o Mestre deparou-se com uma cena nada agradável principalmente por Ele ser o Verbo, o Deus encarnado. O Senhor viu bois, ovelhas e pombas no templo; ao enxergar tudo aquilo, pegou um azorrague (látego formado por várias correias presas num cabo ou pau; açoite) e expulsou todos os que estavam presentes naquele local. As mesas foram derrubadas e o dinheiro espalhou-se pelo chão.

    Jesus tinha zelo pelo templo, o Mestre entendia a proporção, a dimensão do que é adorar ao Pai reunido com seus irmãos. Os costumes deles eram diferentes dos nossos, a forma como se achegavam também, talvez, mas a grandeza do Criador é a mesma, Ele é imutável. O respeito que devemos ter para com as coisas de Deus deve ser preservada. Desculpe-me, quem entra com o celular na Igreja e fica usufruindo de suas tecnologias enquanto o pastor está pregando, enquanto os servos estão no altar tentando entregar um louvor aceitável a Deus, porém, seus olhos precisam ser abertos para enxergar o erro.

    Meu coração se entristece quando presencio indivíduos pregando a prosperidade, anunciando e prometendo coisas que Jesus não promete. O Senhor nos deu e dá graça, misericórdia, salvação e vida. O Mestre não disse que as coisas seriam fáceis por aqui. Somos peregrinos, estamos de passagem apenas, todavia, enquanto estivermos aqui temos uma cruz para carregar e coisas para renunciar (Lucas 9:23). Existem “pastores” que pagam para que uma pessoa finja uma doença, uma possessão ou seja lá que inverdade for. Sei que os falsos mestres se levantariam, porém, devemos receber as instruções de Paulo a Timóteo e combatermos a mentira com a Verdade. - Timóteo era um jovem pastor, amigo, companheiro de Paulo e, desde cedo, foi ensinado a como proceder. Seu agir deveria ser irrepreensível assim como seu falar com cada membro da congregação. Quanto às pessoas que anunciam uma vida cristã sem sofrimento, informo-lhes que Pedro, Paulo, Estevão, João, entre outros, sofreram por causa do Evangelho, foram encarregados pelo próprio Deus a espalharem a Mensagem (“Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, pelo mandato de Deus [...]” - 1 Timóteo 1:1).

    Quer mais exemplos? “Amados, não estranheis o fogo ardente que surge no meio de vós, destinado a provar-vos, como se alguma coisa extraordinária vos estivesse acontecendo; pelo contrário, alegrai-vos na medida em que sois coparticipantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando. Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus. Não sofra, porém, nenhum de vós como assassino, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se intromete em negócios de outrem; mas, se sofrer como cristão, não se envergonhe disso; antes, glorifique a Deus como com esse nome.” - 1 Pedro 5:12-16

    Uns querem passar por cima dos outros, atritos são criados, fofocas espalhadas, vendas sendo feitas e as pessoas não dizem nada. Muitos não param em Igreja nenhuma, vivem sem firmeza, sem cuidado espiritual, sem foco. Assemelham-se, então, com o que Paulo disse à Igreja de Éfeso: “... para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro” (Efésios 4:14).

    Deus tenha misericórdia de nós. “Porque a ocasião de começar o juizo pela casa de Deus é chegada; ora, se primeiro vem por por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus?” - 1 Pedro 4:17

    Falemos da salvação pela graça, e não pelas obras.
    Mostremos a misericórdia por nós recebida.
    Centralizemos Deus e não o homem.

    Graça e paz.
    Jesus te ama!