quarta-feira, 15 de março de 2017

# Livros internacionais # Resenhas

Resenha: "Grandes esperanças", de Charles Dickens

    Olá, leitores!

    Pensei na possibilidade de estar atrasada com a resenha do livro “Grandes esperanças”, porém, lembrei-me que já compartilhei três outras aqui no blog. Bom, se você ainda não leu as resenhas de “Cristianismo puro e simples”, “O Evangelho maltrapilho” e “Um coração igual ao de Jesus” não perca tempo e clique nos links para conferir quais foram minhas opiniões a respeito deles.

    O autor

    Charles Dickens foi o maior dos romancistas inglês na era vitoriana e isso chamou minha atenção fazendo com que eu comprasse “Grandes esperanças” crendo que seria uma grande obra e com uma narrativa fora de série. Dentre os livros do autor apresento-lhes os principais e mais famosos: The Pickwick papers, Great expectations, Oliver Twist. 

    O que achei de “Grandes Esperanças”?

    A obra em si é completa e muito bem elaborada, porém, devo dizer-lhes que não entrou na lista dos que marcaram-me de alguma forma. Infelizmente, não posso afirmar que existe uma vontade de lê-lo novamente em tempos futuros. - A sinopse deixou-me com um nível de curiosidade avançado fazendo com eu deixasse livros menores a espera na prateleira. Charles conta como Pip encarou sua realidade em uma família simples no interior da Inglaterra em um período complicado. Inclusive, devo relatar que foi plausível a atitude do escritor de mostrar-nos como funcionavam os julgamentos e prisões britânicas naquela época. Durante boa parte do livro, li-o com vontade e atenção observando cada detalhe. Por exemplo, o meu personagem favorito desse livro não foi Pip, mas sim Joe, um ferreiro simpático e prestativo que ajudou cuidar de um menino que nem era seu filho mas, sim, irmão de sua esposa (outra que tirou boas risadas de mim).

    Devo confessar-lhes que Estella, a moça por quem Pip se apaixona, causou-me pena em muitos momentos. Ela era uma mulher aparentemente decidida, no entanto, Charles Dickens fez com que ela passasse insegurança e carência ao longo do romance. Torci durante muito tempo para que ela reconhecesse sua fragilidade, assim como Miss Havisham, uma mulher que foi abandonada no dia de seu casamento e, desde então, não mudou nada em sua casa. Podes imaginar, então, como era a situação da residência anos depois.

    Aproximadamente, a partir do capítulo XXXIX, o roteiro tornou-se cansativo, novos personagens foram surgindo, casos foram desvendados, porém,  não causou-me nenhuma sensação diferente. De fato, coloquei “grandes esperanças” no meio e no desfecho dessa obra; todavia, não foi possível satisfazê-las. Devo alertar-vos que a versão do meu livro é a bilíngue, ou seja, a partir da metade do volume a história inicia-se mais uma vez, agora em inglês. Apaixonei-me pelos planos de Pip quanto a fortuna que ele recebera, seus sentimentos por Estella, as raivas que ele me fez passar enquanto ignorava Joe, enfim, foi uma obra gostosa de ler durante muito tempo mas decepcionei-me com o desenrolar do meio e do fim.

    Para encerrar o assunto, indico-o para quem gosta de livros ingleses e de saber mais detalhes a respeito de como os britânicos se comportavam antigamente; para aqueles que são curiosos também. Mesmo não tendo sido uma das minhas obras preferidas, indico-a, pois, sem dúvidas, não esquecerei de Joe, Miss Havisham, Pip e Estella. Não mencionei Herbert, não é mesmo? Pois bem, ele torna-se um grande amigo de Pip no decorrer da história. Vale a pena conferir. 

    Para você que acompanha imagens publicadas por mim no Instagram, tanto no pessoal como na conta do blog, estarei avisando quando outra resenha for disponibilizada ou estiver em processo de escrita. - Avisei ontem, por meio de uma legenda, que hoje estaria divulgando o título da minha leitura atual, aliás, estudo. Alguns sabem que eu estava aprofundando-me na primeira epístola de Pedro e, agora, com ajuda do livro “1 Timóteo: o pastor, sua vida e sua obra”, de Hernandes Dias Lopes, estou aprendendo um pouco mais sobre quem foi o apóstolo Paulo, quais foram os propósitos dessa primeira carta a Timóteo, os sofrimentos que ambos passaram e tantos outros aspectos. Então, meus amores, fiquem de olho pois desejo concluí-lo ainda esse mês e compartilhar aqui nesse espaço tão gostoso o que eu aprendi. Aviso também que estou lendo “As aventuras de Sherlock Holmes”, de Arthur Conan Doyle, um escritor e médico britânico que inovou a literatura com suas histórias sobre o detetive citado. 


    Grata por sua visita.
    Jesus te ama!